Desafios dos líderes



leadership

Realmente a função de liderar é multi-desafiadora.

Os desafios são todos simultaneamente importantes.
Porem, se tivéssemos de destacar o mais significativo, focalizaríamos com certeza, os aspectos da mobilização permanente de uma equipe.

Mobilizar um grupo e manter essa mobilização até que o objetivo seja atingido, depois remobiliza-la na busca do próximo desafio, pode ser tido como um dos mais relevantes pontos de atenção e de desgaste do líder.

Mobilizar o grupo é constitui-lo em equipe. Necessita primeiro a própria mobilização do líder em prol de algo e manter-se focado pelo período necessário a tal consecução.

Mobilizar-se para mobilizar por contagio é esse o principal desafio do líder.

Para isso há a necessidade do líder construir o mesmo ideal existente em si em cada membro do grupo ou da equipe.
Essa construção se dá pela troca de argumentos entre seus membros.

Um elenco de argumentos validos e fundamentados é a principal ferramenta dessa construção.
Uma vez que, esse “benéfico contágio” seja estabelecido, pode-se contar com a mobilização dos elementos e com a sinergia de suas forças rumo ao sucesso da tarefa.

Manter a mobilização conquistada e devidamente apontada ao alvo estabelecido é a segunda parte do mesmo desafio.

Fazer com que o desgaste causado pelo tempo de mobilização seja imperceptível à equipe, traz a necessidade de que o transcurso da operação seja feito de forma leve e agradável.

A seriedade e o peso de dar importância apenas ao resultado alcançado em detrimento do esforço, torna o desgaste emocional multiplicado.

O esforço na consecução deve ser mais valorizado que o resultado obtido.

O reconhecimento público do esforço dispendido independentemente do resultado, valoriza e incentiva o principal componente do sucesso que é o empenho e a dedicação ao objetivo.

O eventual triunfo das adversidades normais e naturais em cada processo, deve ser entendido como aprendizado e fator de melhoria para a equipe.

O bom resultado será então, o segundo reconhecimento, em primeiro sempre o esforço desprendido pela equipe.
Uma formula certa de manter a leveza em um percurso árduo e a equipe revigorada, são os parcelamentos das metas de longo prazo e o estabelecimento de “pequenas vitorias”.

Pensar nos próximos quilômetros parece mais factível e provável que pensar no desânimo de toda uma maratona.
Celebrar as conquistas intermediarias dos quilômetros já percorridos refaz o animo e comprova a capacidade já instalada na equipe de vencer.

Frederico A. Martinelli é engenheiro, administrador de empresas e pós-graduado como Mestre em Engenharia. Ministra cursos de graduação e de MBA. Atuou por várias décadas como assessor, gerente, diretor e consultor em diversas empresas. Desenvolveu sistemas de qualidade, de gestão da produção e gestão de projetos. Implantou a cultura de mudanças em várias empresas e geriu a introdução de inovações tecnológicas em processos produtivos. Recebeu premiações diversas e titulações de patentes. Atua hoje como consultor e coach de empresas na área de "Ganhos de Eficiência".

Deixe uma resposta